terça-feira, 10 de maio de 2011

Os segredos da fotografia de desfiles de moda

ATILA’S PRODUÇÕES FOTOGRÁFICAS




DORIVAL ZUCATTO

Artigo tirado da revista Fotografe Melhor, da Editora Europa Ltda. – Edição Extra.
O especialista Dorival Zucatto revela os macetes para clicar desde concursos de modelos até o Fashion Week
 Por LIVIA CAPELI
Dos desfiles das grifes em shoppings centers aos concursos de modelos e misses em pequenas cidades, passando pelos megaeventos em São Paulo e no Rio de Janeiro, ao estilo das grandes semanas prêt-à-porter de Paris, Milão e Nova York... Nunca o mundo fashion ganhou tanto destaque no Brasil como atualmente. O que faz que as oportunidades aumentem aina mais para os fotógrafos que querem pegar carona na passarela da moda.
Entretanto, não basta apenas investir no melhor equipamento fotográfico para se tornar um especialista em fotografia de desfiles. É preciso ir além: ter uma credencial para cobrir o evento, possuir domínio total da técnica e reservar um bom lugar no pit, aquela pequena arquibancada de frente para a passarela com cinco níveis reservada para os fotógrafos e cinegrafistas.
Com diversas coberturas de desfiles no portfólio, entre eles o Fashion Rio e São Paulo Fashion Week e, o fotógrafo Dorival Zucatto (ou Dodô, como também é chamado pelos colegas de profissão) conta como é o caminho das pedras para quem quer se especializar em clicar o assunto.

Confira as dicas.
Primeiro passo
                O fotógrafo focado em desfiles de moda tem um vasto campo para explorar. É o que afirma Zucatto: “Há oportunidades desde eventos pequenos até entre os mais concorridos”, diz. Ele sugere aos iniciantes que comecem a fotografando concursos de beleza que ocorrem na maioria das cidades brasileiras, como também desfiles de moda promovidos por clubes no interior, shoppings e centros comerciais como o Brás e o Bom Retiro em São Paulo (SP).
                “Os trabalhos menores não devem ser desprezados nem pelos que já estão atuando na área, muito menos pelos iniciantes, porque sem eles não há como se ganhar experiência e montar um bom portfólio para alcançar os grandes eventos”, recomenda ele, que iniciou a carreira fotografando concursos de misses em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo.
                O caminho para chegar a esses eventos menores é mais fácil. Segundo Zucatto, basta entrarem contato com a organização do desfile e pedir autorização para fotografar: “Raramente recusarão. Se for preciso, explique que as imagens serão usadas em portfólio e ofereça como cortesia algumas fotos, o que pode render um bom contrato comercial”.
                Outra dica é tentar fazer amizade com fotógrafos contratados para cobrir o evento. Existe certa camaradagem entre os profissionais da área e há muitas dicas que podem ser colhidas. Em troca, ofereça fotos de ângulos diferentes daqueles que o colega não pode captar.
Salto alto
                Para quem pretendem enfrentar maratona dos grandes desfiles de moda, as dificuldades podem ser bem maiores, já que é preciso fazer um pedido de credenciamento de imprensa com antecedência para cobrir o evento e ter acesso ao espaço reservado aos profissionais.
                As credenciais são emitidas por assessorias de imprensa, e dependendo do evento, a prioridade é dada aos fotógrafos de jornais de renome, contratados pelos estilistas, sites ligados a moda e grande portais de notícias.
                Entretanto, Zucatto afirma que mesmo os fotógrafos que não trabalham para nenhum veículo têm chances de concorrer ao passaporte: basta credenciar-se por um jornal ou revista de bairro ou até a um blog de moda.
                No caso do São Paulo Fashion Week, por exemplo, as credenciais são distribuídas por dia, ou seja, fotografar o dia de hoje não garante o acesso aos demais dias de desfile. O cadastro para a semana da moda na capital paulista deve ser feito por meio do site prcom.com.br/spfw. Já o credenciamento para o Fashion Rio é feito pelo approach.com.br.
                Outro evento importante de moda é a Casa de Criadores, que acontece em São Paulo (SP) e tem como objetivo revelar novos talentos da moda. Para tentar credenciar, basta acessar o site da assessoria: namidia-com.com.br.
Lugar ao sol
                Depois de vencer a corrida pela credencial de imprensa, o fotógrafo de desfile precisa disputar com cinegrafistas e outros fotógrafos um bom lugar no pit, ou no espaço reservado pelo evento aos profissionais. O momento da acomodação é um dos mais estressantes e quem chega com antecedência fica com as melhores posições na arquibancada montada de frente para a passarela.
                “As imagens mais vendáveis de um desfile de moda são aquelas nas quais se consegue captar a modelo bem de frente”, diz Zucatto explicando que o segredo está em se posicionar ao lado do cinegrafista oficial do evento, que fica bem no centro do pit. Entretanto, ele recomenda aos iniciantes que façam uma experiência se posicionando em vários pontos da arquibancada para captar ângulos diferentes.
                Outra dica do especialista é acompanhar os ensaios que antecedem os desfiles, pois, como a sala abre uma hora antes para os fotógrafos se acomodarem, é bom aproveitar para verificar a coreografia e a iluminação do evento. È esse momento que o fotógrfao poderá definir o white balance (balanço de branco) que será utilizado, aumentar ou diminuir a sensibilidade do ISSO (para um desfile o ideal é entre 400 e 800), como também cavar um espaço para passagem das objetivas, já que durante o desfile os profissionais conseguem apenas fazer movimentos restritos, como apertar o botão de disparo da câmera. Por isso, deixar para fazer as devidas regulagens no equipamento fotográfico na hora do acontecimento é algo inviável – não são raros bate-bocas e pequenos desentendimentos no pit por conta das condições de trabalho a que ficam submetidos os fotógrafos até o início do desfile.
Mundo fashion
                Em um desfile existem dois momentos importantes que o fotógrafo deve ficar atento para captar: a “passada” da modelo e a parada na ponta da passarela.
                Segundo Zucatto, o primeiro é o mais complicado, pois é quando a modelo está em movimento. Por isso, se faz necessário ajustar a câmera para velocidades de sincronismo acima de 1/250s, evitando assim imagens tremidas.
                “Atualmente, os desfiles têm muita atitude e belas coreografias – os modelos desfilam com passadas rápidas e são bem dinâmicos.. Isso exige que se conheça bem a câmera, sabendo qual tempo de retardo entre a captura de uma foto e outra”, explica, ressaltando: “A passada da modelo é um dos momentos mais bonitos do desfile e deve ser captado, de preferência, quando a modelo, ao caminhar, está com os dois pés no chão”, ensina.
                As fotos realizadas com a modelo parada na ponta da passarela são bem mais fáceis, porém, exigem agilidade para captar o momento que dura entre 2 e 3 segundos.
No estilo
            Outra dica é com relação ao enquadramento usado para captar cada tipo de roupa: vestidos pedem fotos do corpo inteiro, já moda praia exige cortes acima do joelho. Não deixe de fazer fotos que destaquem acessórios, como brincos, bolsas, sapatos e chapéus.
                Ele sugere ainda o registro de bastidores, como estandes e backstage – local de acesso fácil (basta apresentar a credencial principal para entrar) e tão importante quanto o desfile, pois as novas tendências relacionadas ao mercado de beleza nascem ali: “No backstage é possível permanecer por 15 minutos e clicar top models durante o make-up. Entretanto, por ética, abaixe a câmera ao perceber modelo trocando de roupa”.
                Zucatto explica que retratar todos esses temas rende boas oportunidades, pois o material pode ser comercializado com fabricantes de acessórios e veículos interessados em comportamento, moda, beleza e maquiagem.
                Para quem encara megaeventos de moda, contar com mais fotógrafos na equipe é vital, pois ao final de cada desfile é preciso correr até a sala de imprensa e descarregar as fotos, fazer ajustes e enviar para sites e agências de notícias. “Esse trabalho pode ser feito por um assistente, enquanto se garante lugar no pit para o próximo desfile (no Fashion Week, por exemplo, em média são oito por dia). Outros fotógrafos podem ajudar a captar fotos de coro inteiro, que mostrem o público, closes, detalhes...”, diz.
O básico da moda
            Para Zucatto, o kit fundamental para cobrir desfiles é composto por uma câmera digital SLR, como alguns modelos oferecidos  pela Nikon, Canon e Sony, entre outras, além de lentes zoom luminosas, como a Nikkor 80-200 mm f/2.0 e a Canon 70-200 mm f/2.8 – dando preferência para as objetivas com função autofoco contínuo.
                Inclua também uma mei-tele luminosa, como uma 18-70 mm ou 24-70 mm, para as fotos no backstage. Uma quantidade razoável de cartões de memórias de média capacidade (exemplo: 4 GB) e rápido armazenamento 9como 133x) não deve ficar fora. “Capture as fotos em formato JPG de alta qualidade. O RAW, nesse caso, só é necessário caso você seja contratado para trabalho específico”, aconselha.
                Já o uso de flash é dispensado, pois além do tempo de reciclagem do acessório que não irá acompanhar o ritmo do evento, eliminará todo clima da iluminação do desfile. Um monopé que possa ser regulado até a altura dos olhos (para evitar que se fique curvado durante o trabalho) não deve ser esquecido.
                Zucatto faz a última ressalva: “Conversar com os produtores do evento e acompanhar os ensaios de cada desfile passam credibilidade para o cliente. Além disso, estude sobre o assunto, procure saber sobre o universo fashion. Isso tornará você um expert no tema”.

Com 13 anos de experiência, o fotógrafo Dorival Zucatto, 42 anos, se especializou em moda. Após cursar as faculdades de Psicologia e Assistência Social, abriu mão dos dois diplomas para investir na sua grande paixão: a fotografia. Foi como assistente do fotógrafo italiano Danilo Russo que ele deu os primeiros passos rumo à fotografia da moda. Ao poucos, conquistou espaço nos grandes eventos do mundo fashion, se tornando um expert em clicar desfile de moda.
                Suas dicas sobre o assunto também já estiveram nas páginas da edição 101 de Fotografe Melhor, na qual a reportagem “Como fotografar um desfile de moda” ensinava alguns truques e falava dos bastidores da cobertura do São Paulo Fashion Week.
                Atualmente, ele mantém um estúdio localizado no Ipiranga, em São Paulo. Suas fotos já foram publicadas nas revistas Caras, Fluir, Playboy e Corpo e Plática, entre outras.
ATILA’S PRODUÇÕES FOTOGRÁFICAS

2 comentários:

Bene Camargo disse...

Ótimas dicas meu caro Dorival.
Estava a procura de um artigo sobre moda, pois como sou iniciante em fotografia e estarei fazendo a cobertura de um desfile aqui na minha cidade, achei muito interessante seu artigo. Vou ler por completo na fotografe Melhor que tenho aqui.
Valeu.

leandro Campos disse...

Parabéns, gostei do post Dorival. Ler sobre determinados assuntos da fotografia ajuda muito.